Campanha Junho Vermelho celebra o Dia Mundial do Doador de Sangue

Dia 14/06 é Dia Mundial do Doador de Sangue, mas as estatísticas no Brasil indicam que o País não tem o número de doadores ideal. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que entre 3% a 5% da população de um país seja doadora de sangue, mas entre os habitantes brasileiros apenas 1,8% é de doadores. A campanha Junho Vermelho do Movimento Eu Dou Sangue pelo Brasil tem procurado conscientizar a população da importância desse ato por meio da iluminação com luz vermelha de prédios e monumentos públicos.

O ato de doação é importante sempre, pois em situações de emergência os estoques nem sempre são suficientes, inclusive em países desenvolvidos. No último (12/06) a cidade de Orlando nos Estados Unidos sofreu aparentemente um ataque terrorista que matou 49 e feriu 53 pessoas. Numa entrevista coletiva com autoridades, um dos médicos responsáveis pelo atendimento de emergência da cidade informou que seis cirurgiões do seu hospital foram mobilizados para o primeiro socorro. “Precisamos muito de sangue. Seria um presente maravilhoso para nós”, pediu o médico por intermédio dos meios de comunicação.

Muitos moradores de Orlando, cuja população é de 240 mil habitantes, e cidades vizinhas também, fizeram longas filas para doar sangue nos hospitais, em resposta à convocação dos médicos, a fim de auxiliar as vítimas hospitalizadas.

No Brasil, o objetivo do Movimento Eu Dou Sangue pelo Brasil por meio da campanha Junho Vermelho é contribuir para a criação da cultura da doação de sangue junto à população. “O Brasil, graças a Deus, não tem na sua memória recente histórico de guerras ou grandes catástrofes climáticas como terremotos, atentados terroristas ou situações traumáticas, e de grande comoção nacional que envolvam feridos que precisam de doações de sangue. No entanto, os acidentes de trânsito, os portadores de câncer, de anemia falciforme e outras patologias, procedimentos cirúrgicos de grande complexidade são o dia-a-dia dos nossos hospitais”, explica a coordenadora nacional da iniciativa Junho Vermelho, Debi Aronis.

De acordo ainda com Debi Aroni, a transfusão de sangue é parte integrante de todos estes tratamentos e intervenções. “A doação de sangue deve ser um hábito na vida do brasileiro assim como cortar o cabelo, ir ao dentista ou trocar o óleo do carro”, afirma ela.

“Mas nosso objetivo é ainda mais ambicioso. E ele está sintetizado no nome do Movimento Eu Dou Sangue! Dar sangue no sentido figurado é se envolver, é se importar, é dar de si para o bem de todos. E cada pessoa pode se engajar e escolher sua própria causa para contribuir e aos poucos mudar sua comunidade, seu bairro, sua cidade e assim por diante. Isso é o que muda o mundo!”, finaliza.

Iluminação com luz vermelha no viaduto chá em São Paulo
Iluminação com luz vermelha no viaduto chá em São Paulo

Siga-nos no Facebook!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*